segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Movimento Revolucionario 8 de Outubro - MR8


O Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR8) foi uma organização brasileira de esquerda, de orientação marxista-leninista, que participou da combate armado ao regime militar e tinha como objetivo a instalação de um Estado socialista de inspiração soviética no Brasil. Seu nome lembra a data em que foi capturado pela CIA, na Bolívia, o guerrilheiro argentino Ernesto "Che" Guevara.

História

Conhecido inicialmente como "DI da Guanabara" (DI-GB), ou Dissidência da Guanabara do PCB, o grupo atuava desde 1966 no meio universitário. O nome MR8 foi adotado a partir do seqüestro do embaixador norte-americano Charles Burke Elbrick em setembro de 1969, realizado em conjunto com outro grupo esquerdista, a Ação Libertadora Nacional (ALN).
Entre outras ações, participou do seqüestro do embaixador estadunidense o futuro militante do Partido Verde, Fernando Gabeira, que posteriormente seria preso e exilado. O episódio é narrado no livro, de autoria de Gabeira, O que é isso, companheiro?.
As operações armadas do MR8, com roubos, assaltos a bancos e supermercados, prosseguiram no Rio, bem como a repressão por parte do governo. Em 1971, o grupo passou a contar com a militância de Carlos Lamarca, já que a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), de Lamarca, tinha sido desmantelada pelo governo militar. Pouco tempo depois, Carlos Lamarca foi morto, na Bahia, ao tentar se refugiar dos militares com uma companheira do partido, Iara Iavelberg.
A maioria dos militantes se retirou para o Chile em 1972, sendo o grupo reestruturado posteriormente com outras orientações. A preferência por ações armadas deu lugar à atuação política, e o MR8 foi abrigado no MDB, tendo Orestes Quercia como principal liderança. O grupo passa a editar o periódico "Hora do Povo".
Além de Gabeira e de Lamarca, militaram no MR8 Franklin Martins, César Benjamin, Cid Benjamin, Cláudio Torres da Silva, Vera Silvia Magalhães, Daniel Aarão Reis, João Lopes Salgado, Reinaldo Silveira Pimenta, Félix Escobar Sobrinho, Marilene Villas-Boas Pinto, Miguel Ferreira da Costa, Márcia Ferreira da Costa, Marco Antônio Marrocos de Araújo, Franklin de Matos , Estefanio Monteiro , Stuart Edgart Angel Jones.
O MR8 continua atuando até os dias de hoje, junto a diversas organizações políticas, sindicais e estudantis. O seu braço juvenil é a Juventude Revolucionária Oito de Outubro (JR-8).
Atualmente o MR8 tem demonstrado afinidades com o regime cubano e com o atual presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

Ideologia

O projeto político do MR8 tinha semelhança com as idéias da ALN e do PCBR. Diferenciava-se por, ao contrário da ALN, defender a necessidade da construção de um novo partido marxista e, numa crítica ao programa do PCB, indicar que o chamado "caráter da revolução" no Brasil deveria ser visto como "socialista", e não "democrático-burguês" ou de "libertação nacional". Os objetivos eram chamar a atenção dos meios de comunicação e provocar a libertação de militantes presos.


2 comentários:

Marcus D'Lazzari disse...

Nakela epoca os jovens tinham atitude
se hj em dia fosse assim tava mt melhor ne vey

Filipe Lemos disse...

pode ser q seja verdade! creio q os jovens estão em uma zona de conforto! vamos lutar por quais ideais??